Publicado em 24/11/2020 00h42 - Atualizado em 27/12/2020 00h06

Seca nos EUA pode estar apenas começando

Genética pode ser ponto de apoio

`

A produção de grãos, sementes oleaginosas e leguminosas na América do Norte em 2020 foi incrivelmente boa, dado o ambiente em que algumas safras se desenvolveram. A seca afetou uma grande parte do continente este ano, estendendo-se do coração das pradarias do Canadá até as planícies do norte e oeste dos Estados Unidos e todos os estados do extremo oeste no norte do México.

A World Weather, Inc. anunciou que está preocupada que a seca deste ano seja um prenúncio de mais secagem que eventualmente trará dificuldades para os agricultores no continente e talvez o mesmo possa acontecer em outras partes do mundo nos anos 2021-23.

“O que precisamos, depois de todas as lutas de 2020, é algum previsor de pé sobre o mercado batendo no peito, sugerindo que anos de seca estão à frente. Nós realmente sabemos o suficiente sobre o clima do mundo para fazer uma declaração tão gritante? Provavelmente não, mas as estatísticas falam por si. A única coisa que os agricultores têm a seu favor, que nenhum outro produtor na história do homem teve, é a genética que pode ajudar as safras a lidar com a seca muito melhor do que 30 ou 40 anos atrás. Em grande medida, o sucesso das safras deste ano pode ser atribuído à combinação de genética de sementes melhorada, umidade favorável do subsolo e alguns eventos de chuva oportunos que deram às safras umidade suficiente para continuar o desenvolvimento sem perder muito rendimento”, diz a instituição.

 

Já se passou muito tempo desde que a América do Norte enfrentou vários anos de seca. Esses períodos de seca que duram anos em vez de meses foram observados periodicamente no final dos anos 1800, 1930, 1950 e, até certo ponto, nos anos 1980.

Autoria: Leonardo Gottems | Agrolink

  • Link:

Comente essa notícia

Publicidade
A Agroin Comunicação não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos. Todos os direitos reservados © Copyright 2019.