Publicado em 11/10/2017 12h38

75% das amostras de mel do mundo têm pesticidas

América do Sul é região com menos resíduos

female-halictus-scabiosae-andre-goncalves1

Mel um alimento nobre - Foto: Reprodução / Internet

Um estudo dirigido pelo biólogo  Edward Mitchel, da Universidade de Nauchâtel da Suíca, encontrou resíduos de pesticidas em 75% de 198 amostras de mel de todo o mundo. O estudo publicado na revista Science diz que a concentração é bastante inferior aos limites regulados pela União Europeia e pelos Estados Unidos, mas os níveis detectados poderiam afetar as abelhas.

Auxiliada por voluntários em cinco continentes, a equipe de pesquisadores buscou os principais neonicotinoides. São pesticidas sistêmicos, derivados da nicotina, geralmente aplicados em sementes, espalhando-se por toda a planta. Elas atuam sobre o sistema nervoso e só afetariam os invertebrados que se alimentam das plantadas tratadas, sem gerar nada para os humanos e outros vertebrados.

O estudo ainda constatou que 50% das amostras apresentaram resíduos de duas ou substâncias com neonicotinoide. Outros 10% teriam quatro ou cinco pesticidas. A região com maior proporção de resíduos no mel é a América do Norte (86%), seguido por Ásia (80%) e Europa (79%). Já as regiões com menores de resíduos são América do Sul (57%) e Oceania (64%).

“Pensávamos que encontraríamos muitas amostras contaminadas, mas não 75%. Boa parte delas vem de zonas remotas ou de áreas em sua maioria naturais, e por isso os resultados são ainda mais impactantes”, conta Mitchel.

“Além disso, o fato de que 45% delas apresentem múltiplos resquícios é preocupante, já que não conhecemos bem o impacto desses coquetéis. E só analisamos cinco dos cerca de 500 que existem. Por isso, podemos imaginar que é apenas a ponta do iceberg", conclui o pesquisador.

Autoria: AGROLINK - Leonardo Gottems

  • Link:

Comente essa notícia

Publicidade

A Agroin Comunicação não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos. Todos os direitos reservados © Copyright 2014