Publicado em 09/07/2024 09h00

Musgo pode ser fundamental para colonizar marte

Syntrichia caninervis exibe uma resiliência impressionante.
Por: Leonardo Gottems

Cientistas da Academia Chinesa de Ciências descobriram o musgo do deserto Syntrichia caninervis em Xinjiang, China, revelando seu potencial crucial para sustentar futuras colônias em Marte. Em simulações do ambiente marciano, o musgo demonstrou resistência significativa à secura, temperaturas extremamente baixas e radiação. Os pesquisadores afirmam que o musgo poderia servir como base para estabelecer ecossistemas em Marte, contribuindo para a produção de oxigênio, sequestro de carbono e fertilização do solo. Esses resultados foram publicados na revista The Innovation em 1º de julho.

Syntrichia caninervis exibe uma resiliência impressionante, recuperando rapidamente suas funções fotossintéticas e fisiológicas após perder mais de 98% de sua água celular. Capaz de resistir a temperaturas extremamente baixas e regenerar-se após longos períodos em condições adversas, como -80 graus Celsius por cinco anos ou em nitrogênio líquido por um mês, este musgo é encontrado em diversas regiões, incluindo Xinjiang, Tibete, deserto da Califórnia, Oriente Médio e regiões polares. Seu potencial para aplicações em ambientes hostis, como possíveis colônias em Marte, tem despertado interesse significativo.

A corrida espacial entre China e Estados Unidos está em ascensão. A China planeja missões como a Tianwen-2 para asteroides próximos à Terra no próximo ano e a Tianwen-3 por volta de 2030, focada na coleta de amostras de Marte. Recentemente, também coletaram amostras do lado mais distante da Lua. Enquanto isso, a NASA elaborou um plano de 20 anos para explorar Marte, buscando determinar sua habitabilidade para os seres humanos.