Publicado em 23/05/2024 18h04

Sensor automatizado para controle da irrigação é destaque na AgroBrasília

A tecnologia é destinada a agricultores irrigantes em horticultura, fruticultura, floricultura, cereais e culturas anuais em geral, e pode ser utilizado em diversos sistemas como os de aspersão, gotejamento e inundação.
Por: Embrapa

Destinado à produção de diferentes culturas, solos e clima, tanto em estufas como em campo, o sensor IGstat é um dos destaques da primeira edição do Pavilhão de Inovação e Tecnologia da AgroBrasília, feira que ocorre de 21 a 25 de maio, no Distrito Federal (DF). Experimentos mostraram que o sensor IGstat obteve 10% de economia de água e ganho de peso médio de 15% em alfaces, comparado ao sistema de rega fixa, além de reduzir o uso de água em 20 mil litros por hectare, e energia (65%) em fazenda de café.

Em versão atualizada, com melhorias no processo de fabricação, de aferição e na sua instrumentação de controle, o sensor IGstat automatizado regula o fornecimento de água com base na umidade do solo. Assim, as plantas recebem a quantidade ideal e no momento certo, tornando a produção de pequenos e grandes produtores mais eficiente com o manejo adequado da irrigação.

O sensor IGstat está sendo apresentado no estande da Cooperativa Agropecuária da Região do Distrito Federal (Coopa-DF) por Juliana Polizel, CEO da startup Pitaya Irrigação, parceira da Embrapa Instrumentação, responsável pelo desenvolvimento da tecnologia junto com a Tecnicer Cerâmica Ltda, todas de São Carlos (SP).

O Pavilhão de Inovação e Tecnologia é uma iniciativa da Coopa-DF, AgroBrasília, com o apoio de startups e instituições de pesquisa, como a SoluBio e a Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF) e tem como objetivo integrar os setores para que as tecnologias cheguem ao produtor e sejam utilizadas por ele.

Vantagens do sensor

O sensor tem a vantagem de irrigar mesmo na ausência de informações técnicas específicas sobre os tipos de solo e sobre lâminas de irrigação definidas pelos coeficientes de cultura – evapotranspiração por cultura e região.

Patenteado no Brasil e Estados Unidos, o sensor pode ser produzido com diferentes especificações e preços, conforme a aplicação, e atender a agricultores irrigantes em horticultura, fruticultura, floricultura, cereais e culturas anuais em geral, além de poder ser utilizado em diversos sistemas como os de aspersão, gotejamento e inundação.

Dessa forma, é capaz de irrigar um ponto específico, como um vaso de planta, ou áreas de jardins, hortas, estufas e a campo, em qualquer bioma brasileiro.

Com apenas 6 centímetros de comprimento e 2 centímetros de diâmetro, o sensor é formado por uma cápsula porosa, um núcleo de partículas de microesferas de vidro e duas mangueiras para entrada e saída do ar, ou seja, funciona por meio de um sistema pneumático.

Carlos Manoel Pedro Vaz, pesquisador da Embrapa Instrumentação, explica que, em solo úmido, não há passagem de ar pelo dispositivo; mas, quando atinge um valor de umidade crítica para determinada cultura, o ar passa pelo sensor, causando uma diminuição da pressão na mangueira.

 “Em seguida, um pressostato envia um sinal elétrico para acionar a bomba de irrigação. O desligamento ocorre também de forma automática. Quando a água adicionada ao solo atinge o sensor, a pressão de ar aumenta, ativando o pressostato para interromper o fornecimento de água pela bomba de irrigação”, esclarece o pesquisador.

Aferição da qualidade

Para garantir o controle de qualidade dos sensores, de forma rápida, os pesquisadores desenvolveram um painel pneumático de testes e aferição, capaz de medir conjuntos de dez sensores por vez, de maneira totalmente automática.

“O painel é um equipamento de laboratório automatizado composto por uma bomba de ar, controlador de pressão, válvulas solenoides e software de controle. Além disso, foram implementadas melhorias na robustez e confiabilidade do controlador Irriga Fácil, incluindo aprimoramentos no regulador de pressão de ar, pressostato e temporizador programável”, conta Vaz.

Mais informações podem ser acessadas aqui.

Startup inovadora

A Pitaya é uma das 20 startups das 29 empresas que estão expondo tecnologias nos 400 metros quadrados do Pavilhão de Inovação. Além disso, é uma das oito startups selecionadas pelo Inova AgroBrasília, para apresentar soluções tecnológicas - produtos, processos e serviços-, voltados para a melhoria da agropecuária nacional. Só após a avaliação da proposta, nos modelos de operação, com enfoque de negócios e jurídico, a startup é declarada como “Graduadas” pelo Inova AagroBrasília.

O objetivo do Inova AgroBrasília, promoção da AgroBrasília e Coopa-DF, com apoio executivo da União Nacional de Direito e Agronegócio (UNDA), é atrair empresários, acadêmicos ou pessoas empreendedoras, com ideias inovadoras, em qualquer estágio de maturidade e colaborar para que essas ideias se tornem negócios, com potencial para solucionar problemas em todas as áreas do agronegócio brasileiro.