Publicidade
Publicado em 10/03/2022 08h33

FDA libera gado geneticamente modificado

O gado editado por genes foi o primeiro a receber uma “determinação de baixo risco da FDA para discrição de aplicação".
Por: Leonardo Gottems

Após uma revisão de segurança, os reguladores de alimentos dos EUA disseram que o gado de pelo curto produzido por edição genética pode ser criado para a produção de carne. A carne do gado pode estar disponível para compra em menos de dois anos, disse a  Food and Drug Administration.

O chamado gado PRLR-SLICK se junta a uma pequena lista de animais editados por genes aprovados pelo FDA para consumo humano, incluindo o salmão OGM da Aqua Bounty e um porco cuja carne não tem o açúcar que faz com que algumas pessoas tenham reações alérgicas à carne vermelha.

“Esperamos que nossa decisão encoraje outros desenvolvedores a trazer produtos de biotecnologia animal para a determinação de risco da FDA neste campo em rápido desenvolvimento, abrindo caminho para que animais contendo IGAs (alterações genômicas intencionais) de baixo risco cheguem ao mercado com mais eficiência”, disse Steven Solomon, diretor do Centro FDA para Medicina Veterinária.

O gado editado por genes foi o primeiro a receber uma “determinação de baixo risco da FDA para discrição de aplicação”. A agência revisou os dados sobre o gado editado por genes antes de decidir que a alteração genética era semelhante às mutações naturais observadas em gado em climas quentes. “Além disso, a comida do gado é a mesma comida de gado de criação convencional que tem a mesma característica de pelo liso”, disse o FDA.

A Acceligen , uma empresa de “criação de precisão” com sede nos subúrbios de Minneapolis, usou a técnica de edição de genes CRISPR para produzir gado com a característica de pelo curto, conhecida como pelagem lisa. Alguns cientistas dizem que o gado com uma pelagem extremamente curta pode ser mais capaz de tolerar o clima quente.