Publicado em 15/04/2019 12h38

Agricultura argentina sofre com incertezas

Crise econômica e proximidade das eleições preocupam os agricultores

As próximas eleições presidenciais e as preocupantes condições econômicas da Argentina lançaram uma série de incertezas sobre os produtores argentinos de grãos e oleaginosas na safra 2019/2020. Foi isso que informou um relatório da Rede Global de Informações Agrícolas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). 

O relatório observou que, durante a campanha de 2018/2019, os produtores foram expostos a um aumento súbito da inflação, uma desvalorização maciça do peso argentino e um aumento nos impostos de exportação de três a seis pontos percentuais. De acordo com o USDA, os agricultores do país podem modificar as suas culturas de interesse, caso alguns fatores negativos para o setor se consolidem. 

"Como resultado, os produtores estão ansiosos para ver como a situação econômica e política irá evoluir nos próximos meses, enquanto tentam ajustar suas intenções de plantio e comercialização para melhor mitigar o risco. Os produtores indicam que, se esse declínio econômico continuar e / ou a probabilidade de um candidato hostil ao setor agrícola se tornar mais provável, eles poderão se deslocar mais para a soja, levando a um aumento líquido na área agrícola na temporada 2019/2020”, comenta o Departamento. 

Se os fatores atuais se mantiverem, o USDA prevê que a área plantada de soja cairá 1%, para 17,8 milhões de hectares, devido à maior competição de área do milho. Atualmente, espera-se que as margens do milho para a próxima safra sejam maiores do que as da soja de primeira safra, levando a uma pequena redução na área da oleaginosa. 

Autoria: Leonardo Gottems | Agrolink

  • Link:

Comente essa notícia

Publicidade

A Agroin Comunicação não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos. Todos os direitos reservados © Copyright 2014